https://soundcloud.com/user-476244245/jk-1

CALEIDOSCÓPIOS, MOÇAS E MÁGICOS

CALEIDOSCÓPIOS, MOÇAS E MÁGICOS


Em Calendas, a linha do trem me conduz à madrugada. Nas ruas da cidade nova, a luz do dia se reveza com a lâmpada de mercúrio: não anoitece nunca. Os homens levam suas mulheres muito cedo para a cama.
Às onze horas da noite já não se vê mais ninguém caminhando pelas ruas.

Na cidade toda nua, um cheiro de tudo novo, um jeito de tudo limpo: muita ordem, muita escova polindo metais, vassouras limpando escadas, pincéis caiando paredes, tesouras podando arbustos  vernizes, aerosois, aventais, naftalinas

Neste mar de assepsia, o milagre do mercúrio imitando a luz do dia. Cidade limpa e sem graça.
Povinho fútil, arrogante, bobinho, maledicente, capiau, desenxavido. 

Mas, depois de dez minutos caminhando pelos trilhos
uma clareira se abre ― caleidoscópio gigante.  

Na clareira, doze casas:
casarões e sobradinhos cheios de moças bonitas
luz vermelha nas varandas
postes antigos na rua de terra também vermelha
luz amarela ― fraquinha

Nas moças, vermelho vivo nos sapatos, nos vestidos
nos rostos afogueados
 nos lábios de puro fogo
 nos olhos encapetados
 no jeito de rir, de andar
no jeito doido de amar
   no cheiro gostoso delas

A noite mergulha fundo na madrugada
a rua parece enfeitiçada ― carnaval impressionista
Caleidoscópio girando:  
Pensão Paris
Bife de Ouro
o Cabaré Luz Vermelha
A Cantina da Gaby sem hora para fechar
Ninguém com hora marcada
Moças saindo entrando
voltando rindo dançando

A rua cheia de moças 

                  A serenata vem vindo: violão flauta violino

                                    o som ainda tão longe
                                              a rua cheia de gente
                                                      as casas cheias de moças

                             Os moços da serenata
                                      deslizam vindos da lua
                                                carregam estrelas nos olhos 
                                                        bonitos de dar tontura
                                                                    na mágica madrugada
                                                                               apoderam-se da rua
                                                                                        beijando os lábios das moças
                                                                                                 beijando tudo das moças
                                                                                                           enchendo a cara de vinho

                                                          Caleidoscópio girando
                                                               os moços noivos da noite
                                                                  luar espelho da noite
                                                                     luar voyeur 
                                                                        luar menestrel da noite
                                                                           Caleidoscópio girando:

Vestidos
pés dançarinos
desejos coxas bruxedo
prismas
prendas
violinos

brilhos de anéis lábios dedos
cambraia prata açucena
absinto sete sentidos
apertos gula carícias
delícias suor
delírio.

Clareira de doze casas
(as casas cheias de moças)
caleidoscópio encantado
girando festa na noite.

(A madrugada envelhece tecendo névoa na rua.)

Saí no melhor do baile
(voltei à cidade boba) e até hoje me arrependo: queria ficar pra sempre, mas... já não sei o caminho.
Sei que a noite continua; até hoje ela está viva no caleidoscópio mágico:
o tempo girando em falso, beleza roubada ao instante...

                                                                          A rua cheia de festa
                                                                          as casas cheias de sonhos
                                                                          os moços cheios de vida
                                                                          as moças cheias de fogo.

        As casas cheias de enlevo
                                                                           a lua cheia flutua
                                                                           a noite cheia de estrelas
                                                                           as moças cheias de lua.                                                                1991
© 2022 Marcos Resende
Desenvolvido por Webnode
Crie seu site grátis! Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também! Comece agora